ROBERTO, NEM BESTIAL, NEM BESTA...

 

 

Guarda-redes espanhol não sofre golos há quatro jornadas. Passou a deter a melhor série consecutiva de minutos sem sofrer golos na Liga.

De aquisição quase falhada a salvador da pátria benfiquista. Ou de como uma duvidosa decisão de Jorge Jesus, no início da época, se transformou num garante de pontos aos campeões nacionais, que tão desesperados andam por eles.

O percurso de Roberto na defesa das redes encarnadas tem sido atribulado. Mas depois de um início arrepiante - que levantou toda a sorte de interrogações, em especial tendo em conta o montante despendido para a sua contratação -, o madrileno começa a mostrar as credenciais que o levaram a ser considerado como o melhor guarda-redes da segunda volta da Liga espanhola da temporada passada e peça fundamental para a manutenção do Saragoça, actual último classificado do campeonato dos nossos vizinhos.

Pressionado por exibições desastradas e os quatro golos consentidos nas duas primeiras jornadas (correspondendo a outras tantas derrotas), o espanhol viu fechar-se a porta do onze principal frente ao V. Setúbal. Mas o penalty cometido por Júlio César, e que o espanhol, saltando do banco e a frio, defenderia, foi o clique que lhe devolveu confiança e a titularidade. E em ocasiões posteriores, para lá de somar intervenções que valeram pontos aos encarnados, foi mesmo designado como o melhor dos homens de Jesus.
Os dois golos sofridos na jornada seguinte, em Guimarães - desta feita sem culpas próprias - voltaram a colocar algumas questões. Mas foi precisamente com a cabeçada de Rui Miguel, que aos 83 minutos selou o terceiro desaire das águias na prova, que Roberto seria batido pela última vez no campeonato.

Já passaram entretanto quatro jogos e um total de 367 minutos a zero, o que permite ao espanhol ser agora o detentor da mais longa série de imbatibilidade da Liga 2010/11, ultrapassando inclusivamente o máximo de minutos que Quim esteve sem sofrer golos, na época passada, a da conquista do título: 365 entre as jornadas 18 e 22, somando apenas três partidas a zero.

Leia mais na edição impressa de A BOLA

GRANDE REMATE DE magalhaes-sad-slb às 10:35 | favorito